3 de maio de 2008

Parcerias vs Auto-suficiência. Qual o placar?


Ao ler a notícia da possível parceria da Traffic Sports com o Esporte Clube Vitória, resolvi levantar uma bola – a parceria é o melhor caminho para um clube?

Se pensarmos a curto prazo, não é necessário muito tempo para responder. Claro que sim. O grande exemplo disso é a parceria do Corinthians com a MSI, que logo no primeiro ano rendeu ao clube paulista mais um título brasileiro. Neste caso o resultado a médio e longo prazo foram muito piores do que os mais pessimistas imaginavam. Dívidas, revolta da torcida e, finalmente, a queda para a segunda divisão.

No rival Palmeiras a história é um pouco diferente. Após anos de fila depois da famosa “Academia”, o clube alvi-verde surge com uma parceria inédita no futebol brasileiro com a Parmalat, com executivos como Brunoro no comando e uma constelação de jogadores sob o comando de Luxemburgo. A fila acabou, títulos e mais títulos vieram para encher a sala de trofeús, mas anos após o final da parceria o Palmeiras também conheceu a segundona.

Por outro lado temos o São Paulo, um clube que não pára de ganhar títulos, com estrutura de primeiro mundo e que não cansa de falar que não precisa de parceria. Na Europa temos o exemplo do Barcelona, um dos maiores clubes do mundo, que também não tem patrocinador (hoje estampa o logo da UNICEF nos uniformes), tem grande parte da sua renda vinda de seus sócios e coleciona ídolos e títulos.

A discussão sobre a importância da parceria nos clubes de futebol deve ser vista por diferentes óticas. Um trabalho sério e estruturado feito por ambas as partes pode representar um sucesso a curto, médio e longo prazo. A primeira parceria do Palmeiras forneceu inúmeras ferramentas para o clube aprender a sobreviver sozinho, mas os dirigentes não aprenderam a andar com suas próprias pernas e se viram perdidos com a saída da Parmalat. Hoje, com mais uma parceria, desta vez com a Traffic, o trabalho parece ser diferente. O investimento de cerca de R$ 40 milhões no Palmeiras com a aquisição de direitos econômicos de jogadores de futebol parece não montar apenas um grande time, mas principalmente, uma excelente estrutura de categoria de base, centro de reabilitação, estádio moderno e, consequentemente, tudo para o clube poder sobreviver sozinho. Cabe ao Palmeiras aprender.

Para nós que torcemos pela profissionalização do esporte e para vermos os clubes serem trabalhados como marca, uma parceria séria e feita de uma forma organizada pode ser uma boa para todos. Clube, empresa e, claro, os torcedores.

6 comentários:

Felipe Schmidt disse...

Acho que, dependendo dos moldes, uma parceria tem tudo para dar certo. O que não pode acontecer é a exploração de um dos lados. E, sobretudo, precisa haver transparência. Dinheiro de origens duvidosas, como no caso da MSI, é uma pista de que algo está errado.

Enfim, aproveitando o assunto, eu também estou iniciando um blog com alguns amigos, que trata do futebol carioca, e gostaria de saber se vocês estão interessados em uma parceria, trocando nossos links, a fim de obter mais divulgação pros nossos blogs. Gostei do blog de vocês, tem assuntos interessantes, bons conceitos.

Visitem o meu blog e, caso se interessem, entrem em contato.

www.ecosdomaraca.blogspot.com

Abraço!

Dida disse...

Ótimo post.
Como o Bruno mesmo disse, essas parcerias podem trazer resultados no curto, médio e longo prazo. Ainda é cedo para dizer qual o efeito da parceria com Palmeiras. Em campo, o time vem dando resultado,sim. Mas no aspecto o financeiro o clube já apresentou déficit de R$3,9 milhões no primeiro trimestre de 2008l. Lógico que ainda é cedo para se afirmar alguma coisa, mas é fundamental que os clubes se estruturem cada vez mais e não fiquem reféns de patrocinadores e "parcerias".
Muito bom!

Babi disse...

Achei muito legal e me deixou curiosa para saber o motivo do São Paulo ser tão bem estruturado. O que diferenciou, no passado, o clube dos outros?

Bruno disse...

Belo comentário, mas este é um assunto para outro post!

Gaúcho Tricolor disse...

Assunto interessantíssimo, belo post. Mas pelo que sei o Barça tem diversos patrocinadores, como Nike, Coca Cola e Audi entre outros. Além disso o clube paga um valor anual para poder estampar o logo na Unicef na camisa do time, assim como faz o Boca Juniors.

Gostei do blog e já está entre meus favoritos.

Abraço!

Bruno disse...

É verdade. No entanto São Paulo e Barcelona não possuem parcerias como foram feitas por Palmeiras e Corinthians.
Em São Paulo, até o ano passado o SPFC era o clube que mais ganhava de patrocinador, porém, todas as contratações são feitas pelo próprio caixa do clube.
Muito bom o comentário, gaúcho.