12 de agosto de 2008

As Olimpíadas e a internet.

A NBC, que detém os direitos de transmissão das Olimpíadas, também está realizando a transmissão via internet. E já bateu o seu primeiro recorde.

Mesmo depois de atrasar por 12 horas a publicação da cerimônia de abertura em seu site, o que gerou uma série de reclamações, a NBC atingiu a marca de 70 milhões de page views na sexta-feira; o maior de todos os tempos do site.

Para se ter uma idéia, em 2004, nos Jogos de Atenas, a média foi de 25,4 milhões de visitantes na primeira noite, e em Sydney, em 2000, o número chegou a 27,3 milhões.

Estes números são bem interessantes, pois mais uma vez mostram como a internet definitivamente se tornou um meio de massa, e isso não é só no Brasil. Assim como já vem acontecendo em outros setores, a internet deve ter um papel cada vez mais importante no cenário esportivo.

Imaginem o seguinte, aqui no Brasil a Globo tem os direitos de transmissão, mas basicamente transmite apenas os brasileiros que estão em ação. Mesmo com as transmissões ocorrendo em plena madrugada, a audiência triplicou para o horário. Isso, repito, transmitindo basicamente os brazucas.

A Tv por assinatura, que tem cerca de 5 milhões de assinantes espalhados pelo país, e que transmite a maior parte dos eventos (criando até mais canais para isso), acaba disponibilizando este contato com esporte para uma parcela muito pequena da população.

Eu vejo a internet desempenhando um papel fundamental no cenário esportivo nacional. Com aproximadamente 50 milhões de usuários, a internet pode ser o principal ponto na difusão do esporte. Como queremos ser uma potência olímpica se nos limitamos a transmissões de futebol e um ou outro esporte quando a Globo resolve transmitir? Eles compram a maioria dos direitos de transmissão, mas está tudo no SporTv. A programação não possui muitas brechas para alterações, e aí fica complicado mesmo encaixar mais coisas...

A internet vai na contramão de tudo isso. O conteúdo está lá para quem quiser ver. E é por isso que a iniciativa do Terra em mobilizar uma enorme estrutura para a transmissão das Olimpíadas algo louvável. Talvez eles nem sintam o efeito agora, mas alguém precisava se apropriar deste território, que é tão rico e com um enorme potencial aqui no Brasil.

Se queremos ser um país forte mundialmente no esporte, as pessoas precisam conhecer as diversas modalidades que existem. É preciso entrar em contato com elas, conhecer novos ídolos - criando identificação e sabendo que, de repente, seu biotipo físico pode ser compatível com determinada modalidade -, acompanhar resultados de campeonatos, criar redes de relacionamentos entre clubes, técnicos e atletas etc. É um ciclo virtuoso: isso vai trazendo visibilidade para os esportes, atrai patrocínios etc. E aí, a roda não vai parar de girar.

A internet definitivamente não é algo novo, mas ainda estamos aprendendo como tirar o melhor com ela. Esse é o momento para pensarmos em novas formas de fazer o nosso esporte crescer.

2 comentários:

Rafael disse...

Realmente...

a transmissão do Terra é muito bacana...Como não posso acompanhar pela TV (q naum é lá essas coisas...), acompanho pelo Terra todos os dias. Só lembrando q a Globo.com não esta transmitindo videos..

Abraços

Dida disse...

É, Rafael, parece que de novo a Globo deu uma vacilada, não?