3 de agosto de 2009

Ave, César!


O homem mais rápido do mundo dentro das águas. É assim que César Cielo deixa Roma, depois de ganhar o ouro nos 50m e 100m com direito a um recorde mundial (nos 100m livres) e se colocar de vez na história do esporte.

Apenas Cielo e Popov foram capazes de ganhar os 50 metros em Olimpíadas e Mundiais. E Cielo é o terceiro a ganhar os 50 e os 100 metros livre em um mesmo mundial. O norte-americano Antony Erwinge e Popov foram os outros dois a obter esse feito.

O brasileiro voou na piscina do Foro Itálico e foi citado como fantástico até pelo norte-americano Phelps. Em sua entrevista após a conquista dos 100m fez questão de agradecer o presidente do Pinheiros pelo apoio, dinheiro investido e aos Correios por acreditar num projeto a longo prazo.

Quem olha de fora imagina um atleta supervalorizado pelos patrocinadores, que não encontra dificuldades no esporte a não ser o esforço nos duros treinamentos. Mas não, Cielo é o maior do mundo em sua prova e mesmo assim não é auto-suficiente.

O brasileiro ainda tem que contar com o “pai-trocínio” para arcar com o alto valor investido nos treinamentos nos Estados Unidos e com o técnico que é considerado o melhor do mundo, apesar de que muita coisa mudou após a conquista do ouro em Pequim no ano passado. Uma vergonha para o esporte nacional, afinal se com ele é assim, podemos imaginar como estão os demais talentos brasileiros que ainda estão sendo lapidados.

Claro que não podemos deixar de valorizar o Pinheiros e os Correios, mas ainda é muito pouco perto do novo tamanho que a natação adquiriu no mundo. Provavelmente depois do mundial, muitas empresas entrarão em contato para tirar uma lasquinha do sucesso do brasileiro, mas mais do que apoio, o que iremos ver provavelmente é o oportunismo.

É necessário um planejamento consistente e uma estratégia clara para garantir o desenvolvimento dos atletas e da natação como um todo, para que o Brasil possa se firmar no topo daqui pra frente. A estratégia de Cielo já mostrou seus resultados e Thiago Pereira será o próximo a ir treinar nos Estados Unidos com alguns dos principais nomes da natação atualmente como Kosuke Kitajima e o coreno Park. Cada vez mais este intercâmbio entre atletas, técnicos, preparadores físicos, que está muito mais fácil nos dias de hoje, será cada vez mais importante para os resultados dos atletas individualmente. Sendo assim, é fundamental que mais nadadores brasileiros de elite possam ter essa oportunidade, mas, de novo, para isso é necessário investimento e planejamento.

E tão importante quanto investir nos atletas já estabelecidos, é investir no trabalho de base. Há pouco menos de 10 anos, havia um número muito maior de torneios para os jovens nadadores, estimulando a competição, o desenvolvimento e o surgimento de novos atletas. Também é preciso que isto volte... Quem sabe agora após as conquistas de Cielo, que sempre acabam motivando a garotada?

Não podemos nos esquecer que há mais de 10 anos o Brasil não tinha um desempenho tão bom em Mundial, e mesmo assim não podemos desconsiderar o fato de que as medalhas conquistadas em Roma ainda estão concentradas em poucos atletas.

Já estamos cansados de saber que temos potencial; no entanto, ainda falta apoio para sermos uma potencia.Está na hora de inverter este jogo e nunca mais deixar o Brasil passar por um jejum de medalhas tão longo.

Postado por Bruno e Dida

10 comentários:

Carlinhos disse...

Mais uma vez um atleta que não é jogador de futebol surge como um ídolo, um herói nacional! Vale lembrar Guga, anós após a "glória" do maior tenista brasileiro, o tênis nacional continua um "nada"! Espero que dessa vez com Cielo não apareçam apenas oportunistas, como vocês disseram, e sim gente e empresas dispostas a apoiar e "aproveitar" esse momento da natação para desenvolver o esporte,e assim não precisarmos daqui a alguns anos lembrar da natação do Cielo como o tênis do Guga...

Marcello De Vico disse...

Não sei se estou exagerando, mas não tenho dúvidas de que o Brasil tem potencial pra ser um dos maiores do mundo em TODOS os esportes. Falta investimento, visão de quem tem dinheiro. Aproveitando o que o Carlinhos falou, quantos "Cielos" e "Gugas" já não devem ter sido perdidos pelo Brasil? Acho que não dá pra ter noção... E é triste ver nossos ídolos tendo que ir treinar fora do Brasil para melhorar seu desempenho, como acontece agora com o Thiago Pereira. Caso no ano que vem ele conquiste alguma medalha importante ficará mais do que provado que o Brasil ainda não tem capacidade para treinar e promover seus atletas. Uma pena, já que potencial e matéria-prima é o que não falta aqui...

Dida disse...

Marcello e Carlinhos, concordo com vocês dois. O Brasil tem potencial para ser uma potência em todos os esportes. Não podemos continuar desperdiçando tantos talentos Brasil afora.

Com relação a ida de Thiago Pereira para os EUA, acho que há uma outra questão envolvida além da nossa inaptidão pra prover o melhor para nossos atletas em termos de treinamento aqui no Brasil.

Na natação este intercâmbio entre técnicos, atletas, preparadores físicos é fundamental. Thiago Pereira irá nadar com alguns dos grandes nomes da natação atualmente e isso, tenho certeza, fará uma grande diferença no seu desempenho. O próprio Cielo treina com seus maiores rivais o tempo todo, e todos reconhecem que a cabeça de Cielo é um dos seus maiores diferenciais. Para a motivação do atleta isso é primordial e Thiago Pereira com certeza não teria isso por aqui. O ideal é que se faça um trabalho completo; que nessas idas e vindas sejam identificados e 'importados' o que eles tem de melhor.

Marcello De Vico disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcello De Vico disse...

Concordo com você, Dida. Tenho certeza que a viagem vai ser boa para o Thiago Pereira e até acho que ele pode ganhar medalhas para o Brasil em breve. Sim, o Cielo treina fora faz um tempo, e com certeza esse é um dos fatores para que ele tenha chego aonde chegou. Mas será que o Brasil não tem potencial para que os atletas consigam esses resultados treinando aqui? Como você disse, "nadar com alguns dos grandes nomes da natação" não poderia ser feito aqui mesmo no Brasil? Atualmente, com certeza não, mas será que um dia não teremos potencial pra isso? Não só na questão da qualidade dos atletas, mas na estrutura... Acho que a gente pode alcançar isso sim, mas com certeza não será muito breve.

Dida disse...

Com certeza, Marcello.
Acho que este intercâmbio poderia muito bem acontecer por aqui, mas infelizmente não é o caso hoje. Também acredito que dá pra alcançar, mas no longo prazo...

carlosbernardofilho disse...

Com base nesse ótimo bate papo, Marcello e Dida tiro uma conclusão ! Vocês disseram que esse intercâmbio não pode ser realizado no Brasil nos dias de hoje, sendo que na minha visão, temos o nadador mais rápido do mundo (ou seja o melhor naquilo que faz, aquele que todos gostariam de ter na raia ao lado durante um treinamento),uma boa estrutura (César Cielo é atleta do Pinheiros, um dos clubes melhores estruturados até onde sei), e bons profissionais (técnicos de natação, preparadores físicos, nutricionistas, psicólogos ) para desenvolverem essa boa estrutura. Para "completar" o "pacote" das condições que o Brasil precisaria para poder sediar esse intercâmbio, só falta o investimento, investidores, certo ? È " SÓ " isso que falta mesmo ?

Dida disse...

Boa, Carlinho!

Eu acho que o investimento é chave independentemente do esporte. Mas acho que talvez seja necessário desenvolver essa cultura do esporte natação. Só o investimento talvez criaria algo mais pontual... É só ver o complexo de esportes aquáticos que foi construído para o Pan, mas que, ao meu ver, ainda está sendo mal utilizado.

Cielo tem bons técnicos e trabalha com ótimos profissionais, mas ainda são poucos que tem acesso a tudo isso por aqui.
Nos EUA e na Austrália, por exemplo, há vários lugares no país capazes de dar suporte ao atleta, ou seja, já há uma estrutura - ou cultura - bem desenvolvida.

Enfim, investimento, como vc disse, e o desenvolvimento da cultura da natação são dois fatores que precisam ser bem trabalhados.

carlosbernardofilho disse...

ai é que tá ! será que para surgir, nascer essa cultura da natação não precisamos ter " essa natação " aqui perto, aqui dentro, aqui no Brasil ? essa natação com um trabalho bem realizado, de resultados, de ídolos, que faz surgir nas pessoas o "interesse" por ela, é o mais dificil, e isso parece que ja temos ! será que se invertermos a ordem e trouxermos para o Brasil toda essa estrutura "aquática" ( eu sei que isso é praticamente um sonho, com várias "pendências" e condições a serem buscadas como já foi discutido por aqui, mas coloquei para que o comentário tivesse lógica)não conseguiremos "começar a criar" uma cultura da natação ! Quem sabe...

Dida disse...

Carlinhos, talvez esta fosse a melhor maneira, mas hoje isso ainda não é possível, infelizmente.

O que temos que fazer agora é aproveitar o momento da natação e ver o que conseguimos implementar por aqui!