5 de março de 2010

Mais uma vez São Marcos

O post foge um pouco do tema do blog, mas vamos mais uma vez transformar jogadores em produtos, mercadorias que tem preço, qualidade e data de validade. Mas, no meio das prateleiras do futebol brasileiro, encontramos um produto premium, um produto com muita qualidade e que parece que não ter preço e nem data de validade.

Eis mais uma vez São Marcos. Um ídolo, um craque e a figura que se fixou na história do Palmeiras. Por tantas vezes já foi notícia aqui no Radar Esporte, mas que desta vez não vou escrever muita coisa, prefiro ficar com as palavras do jornalista e comentarista da SporTV Lédio Carmona.

A miragem

Voltamos ao assunto Marcos. Ontem eu escrevi sobre ele. Hoje, também. E amanhã, se for o caso, voltarei ao tema. Marcos sempre tem o que dizer. E nornalmente nos anima a escrever e falar sobre o que diz, opina e debate. Marcos é uma raridade no mundo bitolado no futebol. Claro que não é só ele. Ainda temos boas exceções. Gente que foge aos discursos vazios e pasteurizados. Mas ele é um clássico de goleiro, de caráter e de autenticidade. Não precisa arrotar arrogância para ser notado. Dispensa lobby. Raramente bate no peito, como muito contempôraneos seus, para lembrar que também é pentacampeão mundial. Basicamente, Marcos é de verdade. Não é uma mentira. Tem sangue e vergonha na cara. E dignidade, respeito pelo clube e pelos torcedores e muita auto-crítica (até demais), como mostrou na coletiva de hoje, no Palestra Itália.

“Vou parar pelas minhas condições físicas, porque estou com um probleminha no joelho e no ombro. Para não manchar a imagem que construi, acho melhorar parar. O Palmeiras precisa de um goleiro mais novo e mais paciente. Mas, quem sabe, posso chegar no fim do ano e não parar, ficar na reserva, jogar algumas partidas e apoiar o Bruno e o Deola. Se eu for para a reserva, não acho justo ganhar o mesmo que eu ganho hoje. Poderia ficar mais um ano viajando com o time, mas ganhando menos.

A frase final resume bem que é Marcos. Merece busto, estátua, placa de bronze, salário vitalício, tudo o que o Palmeiras puder lhe oferecer quando, efetivamente, parar. Enquanto há tempo, aproveitemos o convívio com essa grande figura. Ele é real, não é feito de marra e pose e só quer ser feliz. Quase uma miragem.”

*Este post foi devidamente autorizado pelo próprio Lédio Carmona para ser publicado com os devidos créditos aqui no Radar Esporte.

2 comentários:

Marcello De Vico disse...

Infelizmente a hora está próxima, e quando ele parar definitivamente de jogar será uma pena. Além de o perdemos dentro de campo, vamos principalmente perder suas palavras fora dele, a não ser que ele passe a exercer alguma outra função em que ele aparecendo na mídia. Se não, será um a menos (se não um dos últimos) para falar verdades e fugir dos discursos medíocres de sempre da maioria dos jogadores de futebol...

Fernando disse...

simplesmente palmas à ele!!!!